Entenda a importância de um plano de gerenciamento de crise para a sua empresa

O gerenciamento de crise nada mais é do que uma estratégia para evitar ou reduzir ao máximo os impactos negativos que um problema pode ter sobre o seu negócio.

Situações ruins costumam chegar sem aviso prévio, não é mesmo? E no cenário empresarial, elas podem assumir proporções que fogem do nosso alcance. E aí entra o papel do plano de gerenciamento de crise em mitigar os riscos e impactos causados por essas adversidades.

Isso significa que um bom gestor investe em saber quando e como agir. Cabe a ele perceber a magnitude e gerenciar o problema. No mundo corporativo, momentos críticos costumam afetar as pessoas e o negócio como um todo. Não é incomum a ocorrência de danos à reputação e perdas financeiras para a empresa.

Ou seja, estar preparado é a única maneira de enfrentar esses obstáculos – o que exige planejamento e conhecimento sempre atualizados. Só assim é possível reduzir as consequências provenientes dos conflitos inesperados e nada bem-vindos.

Entenda melhor!

 

O que é gerenciamento de crise?

Uma crise precisa ser encarada como uma ameaça para qualquer tipo de operação empresarial. O motivo é simples: se as suas consequências negativas não forem tratadas da maneira mais adequada, os danos à organização podem ser irreversíveis. E para uma empresa que atua com frota de veículos, não é diferente.

Existem vários motivos determinantes de instabilidades para os players desse segmento. Um exemplo bem claro é o fator combustível. Em se considerando apenas o ano de 2021, o Brasil já sofreu diversos aumentos no preço do diesel e da gasolina. De acordo com a CNN Brasil, a alta do petróleo no mercado internacional levou a mais um reajuste no início de julho.

Porém, existem outros fatores que interferem no desenvolvimento e rendimento de uma empresa ligada aos transportes. Entre eles podem ser citadas possíveis paralisações de motoristas, multas e apreensões, a falta de peças para manutenção ou o roubo de cargas.

Para responder a esse conjunto de interferências, o caminho é gestão eficiente. Um processo viabilizado a partir do plano de gerenciamento de crise, um documento que especifica os passos a seguir diante dos momentos negativos.

É uma ferramenta que envolve metas, assim como a criação de uma equipe emergencial voltada a discutir as estratégias e treinada para responder às emergências de forma ágil. Vamos explicar melhor como ele funciona!

 

Como elaborar um plano de gerenciamento de crise?

O plano de gerenciamento de crise tem como objetivo descrever os processos que a organização vai empregar para responder a uma situação crítica. Mas para que ele cumpra o seu propósito, deve conter algumas etapas, as quais vamos conhecer agora:

 

Formar uma equipe

Identifique os membros da equipe indicados para atuar no gerenciamento de crise. Na maioria das vezes, são gestores e líderes da empresa com a tarefa de tomar as decisões e montar o planejamento estratégico. Eles também vão definir os critérios determinantes de uma situação emergencial e em quais pontos a empresa pode ser afetada, a curto, médio e longo prazo. Nessa etapa, também é fundamental definir quem será o porta-voz a prestar esclarecimentos pelas ações.

 

Considerar as ameaças e realizar o monitoramento

Encontre ameaças para o seu negócio e considere o que pode ou não afetar a empresa. Não esqueça de monitorar essas questões com ferramentas específicas, como o Google Alerts, por exemplo. Ela serve para avisar quando um assunto do seu interesse está em alta na internet.

 

Listar etapas a serem executadas

Aqui você deve listar quem precisará ser notificado, em caso de crise, e como essa informação chegará a essas pessoas, bem como as ações e responsabilidades cabíveis a cada membro da equipe. Vale ressaltar que o gestor deve tomar cuidado para transmitir confiança e não gerar pânico.

Ter uma política clara de comunicação

Avise o que está acontecendo a todos e quais ações serão tomadas para solucionar o ocorrido. Também garanta que os stakeholders tenham em mãos as informações que precisam para reagir com agilidade perante a crise. Além disso, é fundamental ter uma equipe de comunicação formada por assessoria de imprensa e profissional de relações públicas, que saibam produzir dados claros, concisos e verdadeiros sobre os fatos. Desenvolva uma estratégia para postagem e respostas em redes sociais, visando minimizar o problema.

 

Aprender com os resultados

O planejamento de crise precisa considerar uma emergência que ainda nem existe e comportar seus diferentes momentos. Durante a situação delicada, temos as ações tomadas para minimizar os pontos negativos. Para o pós-instabilidade, se trata de prever como trabalhar com os resultados percebidos em todo o percurso. É interessante vislumbrar um bom grau de previsão, mas sem deixar de considerar o fato de que nenhum planejamento é perfeito. É fundamental aprender com a experiência, verificando o que deu certo e o que não surtiu efeito.

 

Treinar a equipe de crise

Implemente um processo para testar, pelo menos duas vezes ao ano, a eficácia do plano de gerenciamento de crise e não deixe de atualizá-lo regularmente. Isso inclui treinamento para que a equipe esteja preparada para lidar com os efeitos da crise, por meio de exercícios de simulações. Leve em consideração elementos como a troca de funcionários, novas tecnologias ou mudanças na empresa, os quais devem ser incluídos no planejamento.

 

Você também pode prevenir as crises!

Existem muitos riscos possíveis que podem desencadear um tsunami de problemas na sua empresa de transporte. Por isso, além de contar com um plano de gerenciamento de crise, a prevenção também é uma boa alternativa para fugir de muitas dores de cabeça.

São excelentes medidas preventivas:

  • Controle de cargas e pedidos de frete;
  • Uso de rastreadores para monitoramento a distância;
  • Realização de mapeamento das cargas;
  • Controle eletrônico da manutenção da frota;
  • Estudo de gerenciamento de risco em transporte de cargas;
  • Processo de seleção de motoristas e colaboradores;
  • Ciclo constante de treinamentos e atualização para motoristas e demais colaboradores;
  • Conhecimento da legislação básica de transporte de cargas;
  • Contratação e manutenção em dia de apólices de seguro.

 

Agora, você já sabe o que fazer quando algo inesperado acontece com a sua empresa da área de transportes, não é mesmo?! Então, não perca tempo e invista em um bom plano de gerenciamento de crise. É o melhor caminho para fazer a coisa certa, na hora mais apropriada, enfrentando as urgências com mais tranquilidade e assertividade!

Três vantagens em planejar um roteiro de cargas para o seu negócio

O sucesso de qualquer empreendimento depende das boas políticas de planejamento. E implementar um sistema de roteirização de transporte faz parte desse caminho imprescindível.

No cinema, o roteiro é a base de qualquer filme. Ele serve como um guia para a produção da obra, contendo todas as informações necessárias para o projeto sair do papel. Pois saiba que a função do roteiro de cargas não é diferente!

A roteirização de transporte é uma etapa fundamental no planejamento das atividades da área de logística. É a partir dela que acontece a organização das atividades ao longo de um dia, com a definição, por exemplo, do destino de cada veículo com as respectivas mercadorias, por qual caminho seguirá, com que tipo de gastos envolvidos, entre outros fatores.

Esse plano garante que as operações alcancem seus objetivos, a partir de uma estratégia que otimiza os processos de entrega e coleta. Tudo isso reduzindo custos e melhorando a qualidade dos serviços prestados.

Neste artigo, vamos mostrar três grandes vantagens em implementar um bom roteiro de cargas, uma vez que planejamento é sinônimo de eficiência.

 

Por que o roteiro de cargas é importante?

Em 2018, uma pesquisa realizada pela Associação Brasileira de Movimentação e Logística (ABML) e divulgada pelo portal de notícias G1, mostrou o impacto do custo logísticos para os negócios. O processo representa, em média, 19% do faturamento das empresas.

Dessa forma, aplicar os recursos de maneira inteligente em um sistema de roteirização no transporte de carga garante a sobrevivência do negócio, aumenta a produtividade e impacta na receita. E não é só isso. Trata-se de uma combinação perfeita entre redução de custos e menor tempo de operação no dia a dia.

Mas, se você ainda quer entender melhor os benefícios de implementar um roteiro de cargas na sua gestão de frotas, vamos dar três motivos para a sua empresa aderir ao sistema. Dê uma olhada nestas dicas que vão turbinar seu processo de transporte de carga!

 

1 – Otimização do processo de entrega

Você já pensou em reduzir o valor cobrado pelo serviço e, ao mesmo tempo, aumentar a competitividade no mercado? Pois saiba que, a partir do momento em que se garante uma organização eficiente da atividade de transporte, é possível reduzir o tempo gasto em cada ponto do percurso.

Isso por conta de atividades simples, como agrupar os locais de coleta e entrega por proximidade, podendo incluir maior número de produtos e serviços na mesma operação. O resultado é o aumento da lucratividade.

Além disso, uma roteirização no transporte com o devido controle de horários também possibilita uma melhor adaptação de rotas ou entregas, caso seja necessário. Quanto mais organizado o processo estiver, mais fácil administrar os imprevistos.

 

2 – Redução de custos

A otimização dos deslocamentos ainda ajuda a empresa a economizar. Os veículos são mais bem aproveitados, os gastos com combustível são reduzidos, bem como os custos com a manutenção da frota.

Sem falar que o planejamento feito em um roteiro de cargas gera dados que oportunizam um acompanhamento mais pontual a respeito dos valores empregados na operação. Dessa forma, você sempre tem em mãos uma previsão precisa das despesas envolvidas em cada uma das possíveis rotas.

 

3 – Maior controle e eficiência na gestão de frotas

Quando a roteirização de cargas é realizada corretamente, o gestor tem maior controle sobre suas frotas. Logo, com o planejamento adequado, ele pode escolher o veículo certo para cada tipo de operação, levando em conta sua autonomia e capacidade. Isso sem contar a satisfação de todas as pessoas envolvidas naquela operação logística.

No caso dos motoristas, a noção exata do que fazer torna muito menor a chance de imprevistos e erros nos deslocamentos. Isso porque cada um tem conhecimento sobre a sua carga, para onde levar, por qual estrada passar ou a que horas trafegar.

Estratégias que refletem na satisfação dos clientes. Afinal, eles recebem a carga no prazo, já que todo o processo da logística transcorre com a máxima qualidade e segurança.

Como planejar uma roteirização

Na hora de implementar um roteiro de cargas, é preciso levar em consideração diversos fatores. Antes que o motorista saia para as entregas, é importante que o cálculo de rotas já tenha sido feito, para uma previsão assertiva de gastos. Isso envolve, principalmente, valores destinados ao combustível e aos pedágios.

Esse planejamento de custos também leva em conta diferentes fatores. Entre eles, estão as necessidades individuais de cada cliente – como um possível horário especial para carga e descarga – o modelo e a capacidade do veículo da empresa, além das condições de transporte, em se considerando fatores como tipo de estrada, estado de conservação e volume de tráfego, por exemplo.

Até mesmo a jornada de trabalho dos motoristas tem que ser levada em consideração, com paradas para refeições e descanso. Até porque o bem-estar desses colaboradores e o respeito às leis trabalhistas também fazem parte de uma boa gestão de frotas.

Quando o caminhão volta das entregas, a efetividade do cálculo de rota é verificada na prestação de contas. O gestor deve analisar os gastos do motorista na estrada e compará-los com a previsão feita anteriormente. E assim acontece com o planejamento de rotas, a previsão de tempo do percurso e o monitoramento da viagem, além de outros quesitos englobados numa operação de transporte de alto desempenho.

Toda essa dinâmica é muito facilitada com o uso de tecnologias que dão suporte à roteirização do transporte, garantindo eficiência e segurança ao conjunto do processo. São ferramentas que fazem total diferença. É o caso dos rastreadores. Entenda o porquê!

 

A importância dos rastreadores

O uso dos modernos rastreadores e outras tecnologias de telemetria veicular municia a operação logística de informações muito importantes para o gerenciamento da frota. Aliados ao planejamento do roteiro de cargas, eles ajudam a economizar e a otimizar todo o trajeto.

Os produtos da Suntech se encaixam perfeitamente nessas necessidades. Somos líderes mundiais em dispositivos de rastreamento via GPS ou radiofrequência, bem como em equipamentos de telemetria.

Com filial em Campinas/SP e centro logístico em Minas Gerais, contamos com mais de 1,5 milhão de equipamentos comercializados no Brasil. Produtos de ponta para os mais diferentes tipos de veículos.

Eles fornecem insights importantes e em tempo real para o gestor, com tudo o que acontece durante a trajetória do veículo. Esse acompanhamento da frota permite saber o número de paradas feitas no caminho, se o motorista pisou muito forte no acelerador e quantas vezes as portas foram abertas e fechadas.

Ao conhecer a rotina dos veículos, o rastreador também ajuda a identificar falhas, desperdícios e uso indevido, tendo papel fundamental na redução do consumo de combustível. As vantagens não param por aí.

Os rastreadores podem coibir a ação dos criminosos, reduzindo o número de furtos e roubos. Quando o monitoramento percebe que o caminhão está parado sem motivo aparente, ou está saindo da rota planejada, ocorre o bloqueio do combustível e o veículo não pode mais sair do lugar.

Informações imprescindíveis num roteiro de cargas eficiente e para quem busca uma gestão com economia e redução de custos, sem esquecer da qualidade no serviço prestado.

Entre em contato com a nossa equipe e leve essa facilidade à sua empresa!