Por que fazer manutenção preventiva?

Entenda o que é e como a manutenção preventiva pode ajudar a reduzir gastos e aumentar a eficiência da sua frota

Quando falamos em manutenção preventiva, muitas pessoas já associam, automaticamente, a gastos para corrigir problemas que ainda não aconteceram. Entretanto, hoje estamos aqui para desconstruir esse conceito – e mostrar como ela pode ajudar sua empresa a economizar com manutenção, otimizar a operação e prevenir incidentes.

O que é a manutenção preventiva

A manutenção preventiva da frota é um conjunto de ações de monitoramento para garantir que as partes dos veículos sejam melhor conservadas e operem em condições ótimas por mais tempo.

De maneira simples, significa controlar o estado das peças e dos equipamentos, verificando e corrigindo vulnerabilidades, de modo a evitar que problemas maiores aconteçam.

Como e quando é realizada a manutenção preventiva?

Diversos fatores influenciam nas condições das peças e equipamentos. Entretanto, dois deles são os mais importantes para determinar o momento ideal para realizar a manutenção preventiva: o tempo desde a última manutenção e a intensidade de utilização.

Tempo x Utilização

Quando falamos da cadeia logística, é recomendado que os veículos sejam inspecionados periodicamente. Isso significa que, independentemente do quanto ele rodou ou foi utilizado, de tempos em tempos, ele deve passar pela manutenção.

Entretanto, o desgaste pode levar a sérios problemas. Por isso, alguns aspectos devem ser levados em conta para aumentar a frequência da manutenção, por exemplo:

• Veículos submetidos a condições extremas
• Veículos utilizados para cargas delicadas
• Veículos utilizados com cargas mais pesadas
• Veículos destinados a viagens mais longas
• Veículos que ficaram parados por muito tempo

Por isso, embora a recomendação geral seja inspecionar o veículo após uma certa quantidade de quilômetros rodados, alguns imprevistos podem acelerar o desgaste das peças. Por isso, a manutenção preventiva deve considerar uma análise ampla de fatores.

Em que consiste a manutenção preventiva?

Como o objetivo é prevenir falhas ou quebras de equipamentos e reduzir o desgaste do veículo, essa manutenção vai analisar minuciosamente todos os aspectos cruciais para a operação. Por exemplo:

• Verificação de volume de água e óleo do motor
• Atenção a ruídos no sistema de transmissão e motor
• Análise da refrigeração do motor
• Checagem dos freios
• Calibragem e checagem dos sulcos dos pneus
• Verificação de sistemas elétrico e de sinalização
• Vedação do tanque de combustível
• Carga da bateria

Além disso, é claro, periodicamente deve ser realizada uma revisão completa do veículo, para uma checagem mais aprofundada das condições.

Quais os benefícios da manutenção preventiva?

Bem, antes de mais nada, vamos imaginar o seguinte cenário: um caminhão sai com a carga de um determinado cliente em direção ao porto, para exportação. Entretanto, no meio do caminho, o motorista nota fumaça saindo do motor do veículo. Então, para o veículo e nota que o motor fundiu. E agora? Vai atrasar a entrega?

Imagine só a dor de cabeça em uma situação dessas. Problemas para todos os lados. Entretanto, isso poderia ter sido evitado por meio da manutenção preventiva. Veja abaixo outros benefícios!

Redução de gastos com consertos

A manutenção identifica pontos de vulnerabilidade e trabalha para repará-los, e assim evitando boa parte dos problemas técnicos.

Melhora do desempenho dos veículos

Com todos os itens funcionando corretamente, os veículos operam por mais tempo em condições ótimas, evitando incidentes e desgastes desnecessários.

Aumento da vida útil dos veículos

Veículos inspecionados com frequência são mais eficientes e têm menos falhas técnicas – sejam elas pequenas ou grandes, evitando renovação da frota.

Otimização dos gastos com combustível

Certas vulnerabilidades aumentam o gasto de combustível. Embora em um só veículo isso possa parecer pouca coisa, quando falamos de frotas extensas, é uma economia bastante relevante.

Garantia de maior segurança nas estradas

Veículos com a manutenção em dia têm menos problemas técnicos, o que aumenta a segurança para o trabalho dos motoristas, além de evitar acidentes. Assim, garante-se um trânsito mais tranquilo.

Preventiva, preditiva ou corretiva, qual a diferença?

Manutenção preventiva

Como dissemos, a manutenção preventiva é realizada para prevenir problemas, ou seja, é uma inspeção periódica para avaliar pontos de vulnerabilidade que, se não corrigidos, poderão se tornar problemas técnicos.
É bastante eficiente para aumentar a vida útil do veículo, ampliando a operação em condições ótimas.

Manutenção preditiva

Essa modalidade consiste no acompanhamento periódico dos equipamentos e veículos por meio de dados coletados nas rotinas de inspeção. Assim, como o próprio nome diz, a ideia é prever a vida útil para otimizar a utilização em condições ótimas.

Manutenção corretiva

Essa manutenção acontece quando um veiculo apresenta algum problema – ou seja, a proposta é corrigir algum componente que esteja com mau funcionamento. Vale ressaltar que esse tipo de manutenção apresenta custos mais elevados, principalmente quando comparada com planejada.

Afinal, como vou saber o momento para a manutenção?

Para tornar a manutenção preventiva mais eficiente, você pode contar com os dispositivos da Suntech! Afinal, eles auxiliam na previsão de manutenções e ajudam a reduzir custos e otimizar tempo.

Tecnologia LoRa: tudo o que você precisa saber

Conheça todos os detalhes da nova rede de longo alcance e baixo gasto energético

O que é a tecnologia LoRa?

A tecnologia LoRa (abreviação de Long Range – longo alcance, em inglês), é uma nova forma de comunicação sem fio, que surgiu no contexto da Internet das Coisas (IoT), como uma das soluções para suprir esse mercado tão cheio de oportunidades.

Embora o tipo de conexão seja semelhante ao Wi-Fi e Bluetooth, a LoRa permite comunicações em longas distâncias com baixíssimo gasto de energia, atingindo 3 a 4 km em áreas urbanas e até 15 km em áreas rurais.

 

Quais as principais vantagens da tecnologia LoRa?

A LoRa traz diversas vantagens em relação às demais conexões sem fio (como Wi-Fi e Bluetooth). Entretanto, sua aplicação é diferente dessas mais comumente utilizadas.

Veja abaixo algumas das principais vantagens da LoRa:

– Permite transmissões sem fio em ambientes urbanos, em distâncias que variam entre 3 e 4 km

– Já em áreas rurais, as distâncias chegam a 15 km

– O gasto energético é extremamente baixo, com uma potência de 20 dbm ou 100mW

– Por exemplo, um rádio conectado em LoRa na potência máxima tem picos de 0,12A, contra 2A da rede GSM

– Possui uma especificação de camada lógica simples e flexível, sendo ideal para IoT

– Usa uma modulação complexa chamada Chirp Spread Spectrum (CSS)

– Essa modulação é muito resistente à interferência e permite recuperação de sinal com eficiência

Como é a estrutura da LoRa?

A rede LoRa utiliza uma topologia em estrela – ou seja, cada dispositivo é conectado a um ponto central de acesso, que por sua vez transmite às informações aos receptores.

Na imagem abaixo, você pode conferir a estrutura da rede e, a seguir, os detalhes de cada ponto indicado.

  1. Módulos (ou end-points/end-nodes): São os dispositivos conectados à rede por meio dos módulos LoRa, que geram a informação que deve ser transmitida. Por exemplo: sensores de temperatura, detectores de fumaça e medidores de volume.
  1. Gateways: São responsáveis por receber os sinais enviados pelos módulos (1) e encaminhá-los para a Internet. Em teoria, cada gateway é capaz de receber dados de milhares de dispositivos, desde que estejam em sua área de cobertura.
  1. Servidores de rede: Estes servidores recebem, armazenam e gerenciam os dados recebidos dos gateways.
  1. Servidores de aplicações: Já esses servidores são os receptores: ou seja, provêm, para o cliente, o acesso aos dados recebidos, na forma de alguma aplicação que trate e processe tais dados de maneira útil.

 

Quais as aplicações recomendadas e não recomendadas?

A rede LoRa pode ser aplicada nas mais diversas localidades. Em ambientes urbanos, tem melhor resposta a estruturas (como prédios e casas) do que as redes Wi-Fi, por exemplo. Além disso, podem ser utilizadas em ambientes rurais, mesmo onde as redes de celular não têm alcance. Isso, é claro, desde que os módulos estejam dentro do alcance da rede.

Entretanto, quando falamos do tipo de aplicação, ela é mais voltada àquelas de baixa taxa de transmissão de informações, com poucos dispositivos IoT em concentração.

Isso significa que é uma tecnologia extremamente útil para agricultura, hospitais, cidades inteligentes e, principalmente, na logística – afinal, as informações que devem ser transmitidas são de baixa complexidade e demandam ótimo alcance.

Esse é o caso de sensores de temperatura, por exemplo: centenas de módulos podem ser conectados à rede e transmitir informações simultâneas aos gateways, que irão receber e processar tais dados de maneira rápida, eficiente e com baixíssimo gasto energético.

Em contrapartida, não é indicada para navegar na internet, por exemplo – já que existem outras redes que fazem isso de maneira excelente e, nesse caso, ainda são a melhor opção.

A tecnologia LoRa é uma ótima aliada aos dispositivos da Suntech, que já têm suporte à rede com diversas vantagens. Entre em contato conosco e conheça nossas soluções!