Brasil terá linha de montagem de caminhões leves elétricos

Se depender dos planos da indústria automotiva, os caminhoneiros e os motoristas de ônibus não vão demorar muito para dirigir veículos elétricos no Brasil.

O nosso país é movido a diesel, já que a maior parte das cargas é transportadas sobre rodas. São quase dois milhões de caminhões circulando por aí. Se tudo isso parar, como consequência o país para. Foi o que aconteceu em maio. A greve dos caminhoneiros bloqueou as estradas, causou o desabastecimento e prejudicou vários setores. A alta do diesel foi a principal causa da paralisação.

Mas uma nova geração de caminhões, os chamados elétricos, não dependerá de combustível, não poluirá o ar e nem emitirá ruídos. A partir de 2020, uma fábrica irá abrigar a primeira linha de montagem de caminhões leves com motor elétrico do Brasil.

Qual é o caminhão elétrico e qual é a diesel?

De fato, olhando para ambos os caminhões não vemos a diferença pela parte da frente. Mas, por dentro, levantando as cabines, fica claro que o motor convencional a diesel ocupa um espaço maior. Já o caminhão elétrico não tem tanque de combustível, mas sim quatro módulos de bateria dos dois lados do chassi, além do kit elétrico do motor ocupar muito menos espaço.

Caminhão elétrico carrega o mesmo peso que o convencional?

Sim, por incrível que pareça! Ele suporta o mesmo peso e atinge a mesma velocidade que a versão original, sendo que a manutenção é cerca de 30% mais barata.

E aí, qual a sua expectativa para esses novos veículos?

Fonte: Auto Esporte

São Paulo receberá primeiro caminhão elétrico do país

A tendência de carros elétricos no Brasil é uma das grandes novidades atualmente. Com o avanço dessa tecnologia, a Volkswagen, até o final do ano, colocará nas ruas de São Paulo seu primeiro veículo elétrico no país: o primeiro caminhão elétrico desenvolvido no Brasil.

De início, ele começará a rodar em um programa piloto, em parceria com uma empresa de bebidas. O passo seguinte já foi pensado: o modelo poderá ser encontrado nas concessionárias da marca em 2020.

A ideia de trazer um caminhão elétrico para o Brasil foi uma “encomenda” da matriz, na Alemanha, para a filial brasileira. Com essa missão, a empresa tratou logo de buscar duas parcerias, uma responsável pelo motor e outra pelo sistema de tração: Eletra e Weg, respectivamente.

A empresa conta que o caminhão é da categoria leve e transporta até 11 toneladas. Além disso, a autonomia do e-Delivery é de 200 km. Pode não parecer muito, mas é o suficiente para atender à demanda dos clientes deste tipo de veículo. A empresa cita que é possível recuperar 30% da bateria em apenas 15 minutos usando o carregador rápido, tempo daquele “cafezinho” para o motorista e auxiliares.

No futuro, o conjunto do e-Delivery poderá ter variações, tudo para se adequar ao perfil do cliente. Entre os exemplos, estão a adoção de mais um motor elétrico e a remoção do câmbio. Desta forma, ele funcionaria como alguns carros elétricos, onde a energia vai direto para as rodas, sem passar por uma transmissão.

Cenário dos caminhões elétricos

O e-Delivery dever ser o primeiro caminhão elétrico a ser vendido no Brasil. No exterior, outras marcas se movimentam para colocar opções no mercado nos próximos anos.
O caminhão mais conhecido até o momento é o da americana Tesla.

Quando será viável?

Hoje, há uma certa incerteza quanto aos automóveis elétricos por conta dos valores de venda. Para a Volkswagen, o custo de prioridade será a principal vantagem do caminhão elétrico em relação aos similares a diesel. A manutenção será muito mais simples, exigirá menos revisões, 50% menos peças, discos e fluídos de freio devem durar três vezes mais.
É curioso pensar que um caminhão pode ser responsável por pavimentar a estrada para a tecnologia que desponta como solução para o esgotamento de recursos do planeta. E melhor ainda se o projeto for nacional.

Fonte: Auto Esporte